theme by h3y-fuck-you ft. de-feito (+)

E o problema é que eu sou inteira enquanto as pessoas estão acostumadas com metades, previsíveis e mornas.
Laura Seipel. (setembrode92)

L E T - IT - B E
1 2


1 month ago · 65,419 notes · Reblog
originally reneelouiseanderson · via reneelouiseanderson


(Source: pandapandemoniuum)



1 month ago · 143,260 notes · Reblog
originally pandapandemoniuum · via engrinaldar


oliveracedavis:

BABY!

oliveracedavis:

BABY!

(Source: mostlycatsmostly)



1 month ago · 418,408 notes · Reblog
originally mostlycatsmostly · via diariodeamor-19-10


Eu e meu querido marido, John, eramos casados há 46 anos. Todos os anos no dia dos namorados ele me enviava as mais lindas flores com um bilhete contendo cinco simples palavras: “Meu amor por você cresce. 4 filhos, 46 buquês de flores e uma vida inteira de amor era o legado de John para mim, quando ele faleceu há dois anos atrás. No meu primeiro dia dos namorados sem o John, dez meses depois que ele morreu, fiquei chocada quando recebi um lindo buquê de flores… como os que John me mandava. Irritada e com o coração partido, eu liguei para a loja de flores para dizer que eles tinham se enganado e mandado flores para o endereço errado, logo após eu falar isso o Floricultor me respondeu “Não madame, não foi engano. Antes de falecer, seu marido nos pediu para que nós garantissimo que você continuasse recebendo os buquês de flores no dia dos namorados por muitos anos.” Com o coração na mão, eu desliguei o telefone e fui ler o bilhete que estava no buquê de flores. No cartão dizia: “Meu amor por você é eterno.
Desconhecido (via soquotes)


1 month ago · 1,278 notes · Reblog
originally soquotes · via soquotes


(Source: frasespoesiaseafins)



5 months ago · 3,861 notes · Reblog
originally frasespoesiaseafins · via cher-la-vie


Andava com mania de suicídio e com crises de depressão aguda; não suportava ajuntamentos perto de mim e, acima de tudo, não tolerava entrar em fila comprida pra esperar seja lá o que fosse. E é nisso que toda a sociedade está se transformando: em longas filas à espera de alguma coisa. Tentei me matar com gás e não consegui. Mas tinha outro problema. Levantar da cama. Sempre tive ódio disso. Vivia afirmando: “as duas maiores invenções da humanidade foram a cama e a bomba atômica; não saindo da primeira, a gente se salva, e, soltando a segunda, se acaba com tudo”. Acharam que estava louco. Brincadeira de criança, é só disso que essa gente entende: brincadeira de criança – passam da placenta pro túmulo sem nem se abalar com este horror que é a vida. Sim, eu odiava ter que me levantar da cama de manhã. Significava que a vida ia recomeçar e depois que se passa a noite inteira dormindo cria-se uma espécie de intimidade especial que fica muito mais difícil de abrir mão. Sempre fui solitário. Você vai me desculpar, creio que não regulo bem da cabeça, mas a verdade é que, se não fosse por uma que outra trepadinha legal, não me faria a mínima diferença se todas as pessoas do mundo morressem. É, eu sei que isso não é uma atitude simpática. Mas ficaria todo refestelado aqui dentro do meu caracol. Afinal de contas, foram essas pessoas que me tornaram infeliz.
Charles Bukowski. (via thiaramacedo)

(Source: eles-dizem)



5 months ago · 5,885 notes · Reblog
originally eles-dizem · via thiaramacedo




8 months ago · 177 notes · Reblog
originally supergirlmk · via supergirlmk




8 months ago · 264 notes · Reblog
originally inspired-for-lifee · via inspired-for-lifee




8 months ago · 7,590 notes · Reblog
originally thiaramacedo · via thiaramacedo


Pensar sobre a vida me dava um tremenda dor de cabeça, sobretudo quando eu percebia que mais um ano havia passado sem que muita coisa tivesse mudado, ainda haviam tantas coisas que eu queria… eu corria atrás delas até me cansar demais até mesmo pra respirar e no entanto ainda não havia as alcançado. Não havia muito do que reclamar, eu não passava fome ou necessidade, ganhei mais roupas da minha mãe esse ano do que realmente precisava, não é como se eu tivesse todo o dinheiro que realmente queria, mais tinha tudo o que de fato necessitava. Naquele instante minha vida me entediava, tirando um ou dois dias em que conseguíamos reunir os amigos do ensino médio em volta de uma fogueira na beira da praia com muitos copos descartáveis e um violão, tudo parecia chato e comum demais pra mim.
Mas esta noite, era ano novo, eu poderia ter me sentido exausta durante muitas noites, mas essa não era uma delas. Nada de sete ondinhas, lentilhas ou uvas, esqueça os ramos de arruda, eu só precisava do mar e dos fogos.
O segundo em que o mundo faz a transição de um ano pra outro pode parecer sem graça pra alguns, poder ser a desculpa de outros pra encher a cara, mas eu, me sentia magicamente renovada, enchendo-me de forças como a maré. E entre todos os pedidos do mundo naquele ano resolvi apenas desejar “ok, surpreenda-me” .
Ls. (via distantedalua)


8 months ago · 1 note · Reblog
originally distantedalua · via distantedalua